Enola Gay

Enola Gay Avião da Segunda Gerra Mundial

Enola Gay foi o nome dado ao bombardeiro B-29 em homenagem a Enola Gay Tibbets, a mãe do piloto da aeronave, o coronel Paul Tibbets, que selecionou o avião enquanto ele ainda estava na linha de montagem. Em 6 de agosto de 1945, durante os estágios finais da Segunda Guerra Mundial, o Enola Gay tornou-se o primeiro avião a lançar uma bomba atômica. A bomba, cujo codinome era Little Boy, teve como alvo a cidade de Hiroshima, no Japão, e causou uma destruição sem precedentes. A aeronave participou do segundo ataque atômico como um avião de reconhecimento climático para o alvo inicial de Kokura. No entanto, nuvens e fumaça fizeram com que o alvo fosse mudado para a cidade de Nagasaki, que foi bombardeada.[1]

Após a guerra, o Enola Gay voltou para os Estados Unidos, onde foi operado a partir de Roswell Army Air Field, no Novo México. Ele foi levado para Kwajalein para a Operação Crossroads, que promoveu testes nucleares no Pacífico, mas não foi escolhido para fazer o teste no atol de Bikini. Mais tarde, naquele ano, foi transferido para o Instituto Smithsonian e passou muitos anos estacionado em bases aéreas e exposto ao tempo, antes de ser desmontado e transportado para instalação de armazenamento do Smithsonian em Suitland, Maryland, em 1961.

Na década de 1980, grupos de veteranos de guerra começaram a se mobilizarem para que o Smithsonian colocasse a aeronave em exibição. O Enola Gay foi exposto no Museu do Ar e Espaço (NASM) em 1995 e, desde 2003, o B-29 foi restaurado e posto em exposição no Steven F. Udvar-Hazy Center do NASM. O último sobrevivente de sua tripulação, Theodore Van Kirk, morreu no dia 28 de julho de 2014, com a idade de 93.

Comments

comments