Assustadora arma alemã que poderia ter mudado o curso da história

O foguete nazista V2 não chegou a ter influência na Segunda Guerra Mundial, mas potências como Rússia, França, Inglaterra e EUA fizeram o possível para se apropriar dessa arma.

Seu criador, Wernher von Braun, havia sido o líder do programa de armas de Hitler e, quando se rendeu, em maio de 1945, foi levado secretamente para os EUA. Enquanto isso, os russos se apoderaram de suas instalações de pesquisa, no mar Báltico, ao mesmo tempo em que os britânicos estavam ocupados com a Operação Backfire, pela qual lançaram foguetes V2 da Holanda, que foram até a fronteira espacial e caíram no mar do Norte, a menos de 5 quilômetros do seu alvo.

Com essas provas, afirmou-se que von Braun tinha encontrado a solução para os grandes problemas da indústria dos foguetes: esse foguete tinha um grande motor, uma bomba que podia ser enchida rapidamente e um sofisticado sistema de direção. Cada um dos seus detalhes contava com uma tecnologia de vanguarda.

VEJA TAMBÉM: 10 fatos surpreendentes sobre os ataques de Hiroshima e Nagasaki

Tal era seu potencial que, em 1946, o artista e designer Ralph Smith apresentou uma proposta para transformar o V2 em um foguete tripulado: o Megaroc. Embora o plano levasse  em conta até os mínimos detalhes, e hoje ser cosiderado à frente de seu tempo, o Ministério do Abastecimento do governo britânico recusou a ideia.

Enquanto isso, von Braun avançou, com financiamento norte-americano, no desenvolvimento do foguete Mercury-Redstone, a partir da tecnologia do V2. Dessa forma, os EUA puderam seguir na corrida espacial e lançar o astronauta Alan Shepard no espaço, em 1961.

 

 

Fonte: BBC Mundo 

Comments

comments