As 10 piores maneiras de morrer, de acordo com a ciência

Ciência explica qual a morte mais dolorosa

ciência

A maioria das pessoas não pensa sobre isso, mas todos nós vamos morrer um dia.

Como você sabe, algumas maneiras são melhores do que outras. Se você for sortudo, vai morrer nos seus últimos dias deitado na cama e rodeado de pessoas queridas. Uma das coisas boas que a medicina moderna nos proporciona, é que agora nós podemos até terminar nossas vidas com relativo conforto.

O problema é que… Ninguém sabe como será nosso último dia de vida. Confira o ranking das 10 piores formas de morrer, segundo a ciência:

ciência

10. Fome

Morrer de fome

É relativamente difícil passar fome até morrer. Essa é uma forma muito lenta, que gera muito sofrimento. A espécie humana evoluiu durante milhões de anos, e nesse tempo, passou por situações de bruscas mudanças climáticas, fome e fartura, e fará ajustes se a comida parar de entrar. Até certo ponto, obviamente.

A falta extrema de vitaminas e minerais vão enfraquecer severamente o sistema imune do corpo, o que fará com que você possa acabar morrendo até mesmo não por fome, mas por alguma doença contraída.

Se uma infecção não te pegar, você vai passar por um período de fadiga extrema e falta de apetite, em relação à falta de eletrólitos, seguido de parada cardíaca como resultado da degradação tecidual (basicamente, seu corpo começa a metabolizar seu coração).

Você provavelmente nunca passou fome a esse ponto. É preciso dias e até semanas para alcançá-lo.

09. Desidratação

Morrer de Desidratação

O corpo humano desidratado é um desastre, afinal, seu corpo tem aproximadamente 60% do volume constituído por água. Isso ajuda o sangue a fluir e limpar toxinas perigosas do corpo.

Conforme você fica mais e mais desidratado, as células começam a encolher (perdem água) para jogar-la na corrente sanguínea. Isso inclui, infelizmente, células cerebrais e quando elas encolhem… Más notícias: as mesmas operam mal, causando confusão, delírio, dores de cabeça e por último nos leva ao coma e depois à morte.

Um por um, seus órgãos começam a desligar, e quando o rim pára, más notícias: as toxinas excretadas pela urina ficam dentro do corpo, e começam a entrar na corrente sanguínea e sair pela pele.

Esse processo pode demorar no máximo duas semanas.

08. Decapitação

Morrer de Decapitação

Imaginar uma decapitação é certamente horrível, certo? Certamente é terrível passar por isso, mas a questão é: quanto tempo?

Primeiro, é bom saber que a cabeça sobrevive por até 30 segundos. Alguns cientistas calculam que é provavelmente mais perto de 3-5 segundos, devido à rápida diminuição da pressão arterial. 3-5 segundos sem um corpo, no entanto, ainda é 3-5 segundos muito longo.

Decapitações realizadas com um machado muitas vezes necessitam de vários golpes para cortar a cabeça. A execução de Mary Stuart sofreu três golpes, durante os quais ela soltou um gemido horrível de dor e (segundo alguns) continuou orando. O carrasco acabou por cortar o resto com uma faca. A maioria dos cientistas concorda que a decapitação, não importa quão rápido seja, produz dores excruciantes durante pelo menos alguns segundos.

07. Injeção letal

Morrer de Injeção letal

Nos últimos 40 anos, os Estados Unidos executaram quase 1.500 criminosos dessa maneira.

Hoje em dia, este é o método mais comum de execução, e ela pode ser mais cruel e dolorosa do que parece. Há três elementos em uma injeção letal: tiopental de sódio (para deixá-lo inconsciente), brometo de pancurônio (para paralisá-lo) e cloreto de potássio (para matá-lo).

A coisa é que mesmo que pareça como um procedimento médico, o processo é completamente desregulado: muitos condenados recebem uma dose de tiopental sódio muito baixa, enquanto outras vezes a dose mais elevada administrada é apenas duas vezes a dose letal para um animal pequeno. Isso significa que eles podem ser paralisados, mas eles ainda estarão semi-conscientes até os outros dois ingredientes lentamente sufocá-los e pararem o coração – o processo é extremamente doloroso. Relatos de testemunhas incluíram casos em que as vítimas gemem, se contorcem e até tentam se sentar durante o procedimento.

06. Cadeira elétrica

Morrer de Cadeira elétrica

Por causa do preço das injeções letais, os EUA estão pensando em trazer de volta a velha e terrível cadeira elétrica.

Essencialmente a pessoa cozinha até a morte. Enquanto a corrente elétrica viaja pelo corpo, o coração para, o sangue ferve, e o sistema nervoso congestiona, causando asfixia. O sangue quente sai por todos os orifícios corporais – as vezes os olhos chegam a saltar das órbitas e o corpo pega fogo. A temperatura é tão alta os músculos cozinham e podem desprender.

ISSO SE VOCÊ FOR SORTUDO. Se não tiver sorte e a voltagem não for o suficiente para te matar, o processo pode demorar 10 minutos, cozinhando lentamente ao prisioneiro, que é incapaz de falar ou se movimentar, mas continua consciente.

05. Crucificação

Morte por Crucificação

Este é um método de brutal tortura e execução.

Inicialmente, quando uma pessoa é pregada a uma cruz, ela tenta instintivamente apoiar seu peso em suas mãos e pés feridos, mas logo depois, devido ao peso do corpo, a pessoa não consegue se manter dessa forma, e seu peito se pendura para baixo. Isso torna incrivelmente difícil exalar completamente o ar e os níveis de dióxido de carbono no corpo sobem, porque a vítima só consegue tomar pequenos goles de ar.

Este processo pode levar muitas horas, ou até mesmo dias. Na verdade, considerou-se a prática mais amável ao quebrar as pernas da vítima primeiro para que seu período de sofrimento seja encurtado.

04. Descompressão

Morrer por Descompressão

Explicaremos como funciona contando um caso real:

Em 1983, quatro mergulhadores estavam dentro de uma câmara de descompressão na plataforma de petróleo Byford Dolphin, quando ela descomprimiu explosivamente. A pressão do ar passou de nove atmosferas para uma em menos de um segundo. O dano que causou a um dos mergulhadores foi nada menos que catastrófico.

Tudo das regiões torácica e abdominal, incluindo sua coluna vertebral, foram expulsos forçosamente do corpo e lançados a até 30 pés. Seu peito, órgãos e traqueia foram encontrados espalhados pela câmara.

A queda repentina na pressão teria feito o sangue ferver e a autópsia encontrou altos níveis de gordura no sangue. A graça salvadora para o incidente Dolphin Byford é que foi extremamente rápido.

03. Queimado vivo

Morrer Queimado vivo

Se te perguntarem se você prefere morrer queimado ou congelado, escolha congelado.

Ao morrer queimado, se você tiver sorte, os vapores tóxicos te matarão primeiro (em incêndios domésticos, até 75% das pessoas morrem de envenenamento por monóxido de carbono em vez de se queimar).

Uma dor aguda imediata é sentida quando as chamas se aproximam da pele, estimulando os nervos e começando a cozinhar a carne. Depois de um curto período de tempo, a camada superior da pele que contém os nervos mais sensíveis terá queimado, e aí uma dor ainda mais aguda e maçante se fará realidade. Você estará consciente tempo suficiente para sentir o cheiro da própria carne virando churrasquinho. Eventualmente, as vítimas de queimaduras agudas morrem por perda de sangue e fluidos, fazendo com que o coração pare.

02. Radiação

Morrer por Radiação

A exposição à radiação pode causar uma morte muito mais longa e agonizante do que você imagina.

A gravidade dos sintomas depende da dose e do tipo de radiação. Pequenas doses causarão náuseas, dores de cabeça, vómitos, febres e erupções cutâneas. Doses levemente mais altas começarão a rasgar suas células, fazendo com que as células do sangue, brancas e vermelhas, morram. Isso significa um sistema imunológico enfraquecido, hemofilia e anemia.

Em doses extremas, a pele fica vermelha e se formam bolhas, aumentando danos neurológicos, tremores e convulsões. As dores de cabeça e vômitos tornam-se intensas e tratamentos como transfusão de sangue e de medula óssea serão ineficazes. Você certamente morrerá nestas doses, e rápido.

A longo prazo, a exposição de baixo nível à radiação aumenta maciçamente o risco de câncer e a radiação fará com que seu DNA sofra mutação.

01. Escafismo

Morrer de Escafismo

Também conhecido com “suplicio dos botes”, é um antigo método de execução utilizado pelos persas para causa o maior sofrimento possível antes da morte.

A vítima ficava presa dentro de dois botes, ou cavados troncos de árvore, com apenas sua cabeça, mãos e pés para fora. Eram forçados a beber leite e mel até o ponto em que eles desenvolvessem uma diarréia horrenda. Nesse ponto, mais leite e mel eram derramados sobre eles, particularmente os olhos, a boca e os genitais, a fim de atrair insetos.

A idéia era que, com os botes cheios de leite, mel e fezes, os insetos mordedores e escavadores iriam colonizá-los, infligindo uma horrível tortura sobre a vítima. Esse método de tortura foi utilizado pelo maior tempo possível, mas a morte eventualmente vinha como resultado de desidratação, fome, exaustão e choque séptico.

 

ciência

ciência

 

Comments

comments