10 fatos sobre o Estado Islâmico

Um dos desenvolvimentos mais chocantes no Oriente Médio tem sido a rápida ascensão do Estado Islâmico do Iraque e da Síria (ISIS) como uma grande ameaça terrorista internacional.

Embora o crescimento do ISIS pode parecer súbito, a união do grupo pode ser rastreada até a invasão iraquiana de 2003, o que desencadeou uma onda de sentimento anti-americano que resultou no nascimento de grupos insurgentes contra forças ocidentais e grupos étnicos iraquianos. A partir dessas raízes, o ISIS cresceu para uma poderosa organização terrorista multinacional com operações sofisticadas, capazes de captar e administrar grandes áreas de território.

Estado Islâmico

1. Agentes do Apocalipse

10

Uma das crenças mais profundas dos combatentes do ISIS é que eles são agentes de um futuro apocalipse. Todas as suas atuais atividades se concentram em trazer o fim do mundo, a partir do estabelecimento de um califado para a aplicação da lei islâmica derivada da Idade Média.

O Estado Islâmico acredita em uma profecia que afirma que apenas 12 califas legítimos andarão na Terra com o atual líder Abu Bakr al-Baghdadi na qualidade de sua oitava encarnação. Os exércitos de Roma e Islã irão se reunir após o Estado Islâmico invadir Istambul, levando a um confronto final em Jerusalém, onde Jesus conduzirá exércitos islâmicos a uma vitória sobre Dajjal, anti-Messias de Islam.

2. Um califado que controla o mundo

9

A inspiração ideológica por trás do Estado Islâmico gira em torno de uma tradução rigorosa do Corão. Esta interpretação estabelece que todos os muçulmanos devem viver dentro de um califado, que é um Estado-Nação Islâmico que reforça os aspectos mais severos da lei islâmica, incluindo apedrejamentos e amputações como punições e escravos como recompensas para soldados do ISIS.

Enquanto a Al-Qaeda trabalhava para o eventual estabelecimento de um califado, eles nunca controlaram uma grande quantidade de território necessário para estabelecer um Estado Islâmico, preferindo em vez disso pequenas operações. A fim de cumprir as suas obrigações religiosas, o ISIS requer um controle territorial para fazer de seu califado uma organização legítima para extremistas sunitas.

De acordo com a doutrina takfiri, parte do processo de criação de um Estado Islâmico em todo o mundo envolve a purificação do planeta através de assassinato em massa de muçulmanos apóstatas e quem resiste ao ISIS.

3. Aliados ocidentais financiaram o ISIS

8

Antes que o Estado Islâmico conquistasse grandes áreas de terra, riquezas derivadas do petróleo, produtos manufaturados e empreendimentos criminais, a organização tinha de recorrer a doações de benfeitores ricos para a maior parte de seus recursos financeiros.

Durante este tempo, nações amigas dos Estados Unidos estavam financiando os rebeldes sírios que lutavam contra a ditadura de Bashar Al Assad, que foi desprezado pela classe dominante da Arábia Saudita, Kuwait e Qatar.

No início da rebelião contra o ditador da Síria, grupos rebeldes sírios estavam interessados em depor Al-Assad do poder. No entanto, à medida que mais lutadores do ISIS se juntaram aos rebeldes, o grupo deslocou-se para o fundamentalismo com grande parte do dinheiro doado por aliados americanos.

4. Eles ganham muito dinheiro

7

Os meios de comunicação sofisticados e campanhas militares do Estado Islâmico requerem uma grande quantidade de dinheiro. Soldados precisam ser alimentados, equipamentos precisam de manutenção e vídeos profissionais precisam ser editados.

A fim de cuidar de suas preocupações orçamentais, o ISIS desenvolveu uma variedade de fluxos de receita para encher seu caixa de guerra, como uma injeção de $ 425.000.000 de fundos roubados de um banco de Mosul, enquanto os ganhos econômicos regulares consistem em atividades criminosas, tais como extorsão, roubo de artefatos históricos e doações de patrocinadores ricos.

Quando o ISIS assumiu grandes porções da Síria e do Iraque, a organização capturou valiosos recursos energéticos que mantêm a sua máquina de guerra funcionando. Atualmente, o Estado Islâmico é a mais rica organização terrorista no mundo.

5. Eles controlam mais terra do que muitas nações

6

Enquanto a guerra civil síria se alastrava, o Estado Islâmico usava a luta para distrair o mundo a partir de seus grandes ganhos de território ao redor do Norte do Iraque e Síria. Eles conseguiram obter terra suficiente para que controlem um território maior do que muitos países legítimos.

Apesar de recuar após ataques aéreos e terrestres por forças do exército do Iraque, o Estado Islâmico ainda mantém um controlo apertado sobre Mosul, uma cidade com milhões de habitantes, bem como grandes áreas em torno de Fallujah e Ramadi, que se estendem pela Síria até a fronteira da Turquia.

Em contraste, a Al Qaeda é um grupo descentralizado de células terroristas, capaz de atingir praticamente qualquer lugar na Terra, mas incapaz de montar campanhas militares sofisticadas que conquistam terras inteiras.

6. Experientes em mídias

5

O ISIS realiza suas campanhas de propaganda utilizando todos os mais recentes meios de comunicação sociais e técnicas de produção, maximizando sua capacidade de chegar a um vasto grupo de potenciais recrutas.

Parte dos esforços em ganhar guerras ideológicas envolve a Al Hayat Media Center, uma empresa de mídia profissional que promove vídeos de recrutamento e outras comunicações de marketing. Ao contrário da Al-Qaeda, cujos vídeos se assemelham a um sermão recitado em uma câmara de vídeo, as produções do ISIS incluem música, cenas de ação e uma história que faz com que potenciais recrutas se sintam como parte de uma luta maior.

O Estado Islâmico também implanta especialistas em mídia social com experiência em usar o Instagram, Facebook e Twitter para manter contato com islamitas que consomem a mídia online.

7. Decapitação como uma ferramenta de marca

4

Uma das ferramentas de recrutamento mais influentes e bem-sucedidas que o Estado Islâmico criou foi a série de vídeos que executa prisioneiros através da decapitação, incluindo a primeira transmissão em solo líbio, que apresenta a execução de mais de uma dúzia de cristãos egípcios.

Estes vídeos de propaganda, que apresentam figuras bem conhecidas como “Jihad John”, um recruta de Londres, separa o ISIS de outras organizações islâmicas. Recrutas potenciais vêem esses vídeos como prova de poder e controle, juntamente com a disposição da organização em ser completamente implacável no cumprimento de seus deveres como muçulmanos. Ao mesmo tempo, estes vídeos espalham o medo entre os não-fundamentalistas, matando dois pássaros com uma pedra.

8. Mais radicais que a Al-Qaeda

3

Mais de um ano atrás, o presidente dos EUA Barack Obama considerou o Estado Islâmico como menos preocupante e perigoso que a Al-Qaeda.

No entanto, a Al-Qaeda e o Estado Islâmico estão em desacordo porque o ISIS é considerado muito radical para a Al-Qaeda. Em outras palavras, a violência perpetrada pelo Estado Islâmico é sangrenta o suficiente para perturbar uma organização terrorista responsável por ataques como ao World Trade Center.

9. Eles destroem a história humana (e lucram muito com isso)

2

Dezenas de sítios históricos de valor inestimável foram invadidos e destruídos por forças do Estado Islâmico devido ao fato de que a adoração de ídolos é considerada um pecado religioso sério.

Museus e sítios arqueológicos, alguns dos quais datam em 3.000 aC, foram saqueados, demolidos, e totalmente destruídos. Um desses é Hatra, um Patrimônio Mundial da UNESCO, e o Museu Nínive em Mosul, o segundo maior museu no Iraque.

O ISIS não tem problemas em vender ídolos pecaminosos roubados de sítios históricos para financiar seus esforços de guerra, ganhando milhões com vendas de antiguidades no mercado negro.

10. Eles recrutam pessoas de todo mundo

1

Conforme o ISIS passou a usar cada vez mais meios de comunicação ao longo dos últimos anos, o sucesso de seus esforços de recrutamento também aumentaram. Até abril de 2015, o Estado Islâmico inclui mais de 20.000 adeptos de todo o mundo, incluindo homens e mulheres das Américas e Europa.

O ISIS conseguiu recrutar pessoas de 90 países diferentes, com 3.400 pessoas viajando de países ocidentais para lutar no Oriente Médio. A França e Rússia contam com mais de 1.200 recrutas dentro de suas fronteiras, a Alemanha e o Reino Unido têm mais de 600 cada, enquanto pelo menos 180 americanos e 130 canadenses viajaram para o exterior para se juntar ao ISIS.

Um dos casos mais famosos é o Jihadi John, do Reino Unido, que realizou várias decapitações que foram gravadas em vídeo.

Comments

comments