Ondas gravitacionais uma das mais importantes descobertas da história

Uma equipe de cientistas acaba de anunciar a descoberta de ondas gravitacionais  que engloba tudo, desde as teorias famosas de Albert Einstein sobre as leis da física até o caminho fundamental pelo qual nos aproximamos de nossa compreensão do universo.

Tudo começou com uma descoberta surpreendente sobre os buracos negros. Pela sua própria natureza, os buracos negros são uma raça misteriosa de monstros cósmicos cuja atração gravitacional sobre seu ambiente circundante é tão grande que nada escapa – nem mesmo a luz.

Isso os torna impossíveis de serem vistos, difíceis de detectar, e ridiculamente difíceis de estudar. Como resultado, os buracos negros continuam a confundir as mentes dos astrofísicos mais brilhantes.

Mas agora, graças a uma máquina de US$ 620 milhões e uma equipe dedicada de cientistas dispostos a buscar e descobrir o impensável, os astrofísicos têm uma nova forma de espionar essas criaturas indescritíveis.

A máquina é chamada Advanced LIGO, abreviação de Interferometer Gravitational-Wave Observatory Laser. Os cientistas fazem parte da Colaboração Científica LIGO – um grupo de mais de 1.000 pesquisadores em todo o mundo.

E a nova ferramenta – a que os astrônomos usarão por décadas a partir de agora para desbloquear segredos do nosso universo – é um fenômeno chamado ondas gravitacionais.

Nessa quinta-feira, em uma conferência de imprensa em Washington, DC, a colaboração LIGO liberou para o público os resultados que secretamente circulavam ao longo dos fios da comunidade científica nas últimas semanas.

Descrito em um e-mail pelo físico da Universidade McMaster Clifford Burgess e vazado para Twitter no início deste mês está uma evidência de dois buracos negros gigantes em espiral em direção ao outro, que acabaram se fundindo em um único buraco negro, mais monstruoso.

HiResLivingston_5_Caltech-MIT-LIGO Lab_0
instalação de LIGO em Livingston, Lousiana. LIGO / NSF

As ondas gravitacionais confirmam que os cientistas realmente  observaram uma fusão de buracos negros. É por isso que esta última descoberta, que é a primeiro de seu tipo, está a par de algumas das principais descobertas de todos os tempos.

“Se isso for confirmado”, disse Burgess à Science Magazine sobre a descoberta antes do anúncio de hoje”, então você tem 90% chances de que ela vai ganhar o Prêmio Nobel de Física deste ano.”

As ondas gravitacionais são uma predição da Teoria da Relatividade Geral de Einstein. De acordo com Einstein, a gravidade curva o espaço-tempo, e quanto mais maciço é um objeto, maior o efeito. Quando objetos maciços se movem, eles criam uma oscilação no espaço-tempo, as ondas gravitacionais, um pouco como as ondas que se formam na frente de um navio em movimento.

Essas ondas foram observadas em 14 de setembro de 2015 e foram produzidas por um par de buracos negros em fusão, um dos poucos eventos poderosos o suficiente para produzir ondas gravitacionais que podemos detectar. Os dois objetos tem cerca de 150 km de diâmetro e se fundiram 1,3 bilhões de anos atrás. Eles tinham massas semelhantes, um com uma massa 36 vezes maior que a do Sol e o outro 29. A descoberta tem uma significância estatística de 5,1 sigmas, o que significa que há apenas 1 chance em quase 6 milhões de que o resultado seja um acaso. Os resultados serão publicados na revista Physical Review Letters.

“Detectar e medir as ondas gravitacionais é o Santo Graal da teoria da Relatividade Geral de Einstein”, disse o professor Bob Bingham, um físico britânico. ”Esta descoberta abre o caminho para olharmos para trás no tempo até a criação do universo, com repercussões significativas para pesquisas astronômicas em curso “.

Outra informação importante saída do anúncio é que as ondas gravitacionais se movem na velocidade da luz. Isto era esperado teoricamente, mas ter esta informação comprovada é importante na construção de teorias futuras. E esta observação também confirma os primeiros buracos negros de massa intermediária já encontrados. buracos negros estelares são geralmente muito menores, alcançando no máximo 15 massas solares. Os objetos observados são significativamente maiores e acredita-se que eles sejam um remanescente das primeiras estrelas do universo. Pensa-se que a fusão de buracos negros de massa intermediária eventualmente produza os buracos negros supermassivos que observamos no centro das galáxias.

Fonte: iflsciencebusinessinsider

Comments

comments